Com a hipnose você mudará seus pensamentos e assim estará mudando o seu mundo.

mais-informacoes agende-sua-consulta

Windy

Quando um procedimento terapêutico se inicia, há algo importante que precisa ser levado em consideração: o fato de que estamos diante de um ser único e com diversos recursos internos. Por mais vastas que sejam as semelhanças entre os humanos, a interação que fazemos com o mundo e outros é única. Por isso a terapia deve ser feita sob medida para cada paciente. Precisamos conhecer o genérico, mas aplicá-lo no específico. Sabemos que todos temos a capacidade de focalizar nossa atenção, mas cada um focalizará por motivos diferentes, e que quando focalizamos numa idéia específica ou objetivo, fica mais fácil realizar. Por meio da sugestão, as mudanças vão ocorrendo, voluntária ou involuntariamente.

Vejamos então, como se dá o processo de atendimento de um paciente, do início ao fim de uma sessão ou do tratamento em si.

Anamnése: iniciamos a primeira sessão pela anamnése, que é a história de vida e a história do problema do paciente. Dependendo das questões a serem trabalhadas, o inquérito será diferente. Crenças, valores, o ambiente em que viveu, sonhos, expectativas, medos. Diferentes informação que auxiliam para um melhor diagnóstico para o problema apresentado.

Diagnóstico: Este, nada mais é que a identificação das possíveis causas que levaram o paciente a desenvolver o problema ou dificuldade, e isso é feito a partir de uma observação da realidade individual e única do paciente, isto é, a história de vida do paciente colhida por ocasião da anamnése, falada ou emitida por meio de comportamentos durante a sessão.

Aprendizagens necessárias: O paciente chega com uma história de vida, com formas de pensar já estabelecidas e com aprendizagens adquiridas no decorrer da sua vida. Muitas vezes acaba por criar enumeras armadilhas para si mesmo, que envolvem medos e culpas, com isso não consegue se desvencilhar. Os pensamentos e aprendizagens acabam por envolver sentimentos de dor e tristeza. Por vezes o problema vem como um pedido de socorro da mente e do corpo, para que providências sejam tomadas em relação à vida que o indivíduo esta levando. Faz-se necessário novas formas de pensar, novas aprendizagens que trarão novas experiências de vida. Que possibilitem formas de pensar mais lúcidas frente a tudo o que permeia sua vida e que está lhe provocando sofrimento. O hipnoterapeuta deve ter claro quais sãos os pensamentos e aprendizagens necessárias à mudança do paciente, ou seja, a superação do problema.

Estratégias: todos sabemos que a imaginação é mais forte que a vontade, o que Coué já havia percebido. Quando queremos fazer algo, mas não nos achamos capazes, imaginamos o que de pior poderá acontecer, acabamos por não realizar, por mais que queiramos. Atravessar um rio que não ultrapassa seus tornozelos é relativamente fácil, e poderá fazer tranquilamente. Mas se tiver que atravessar um rio profundo, largo e com correnteza, talvez possa imaginar que não irá conseguir, que a correnteza o carregará, o que torna a travessia perigosa; podendo o levar a morte – um risco que você não quer correr. É que você não ganha nada em atravessar o rio, não têm nenhum benefício. Mas imagine que está fugindo de um bandido que quer lhe matar. Ou talvez, tenha como motivação ganhar alguns milhões, se atravessar o rio. É ai que uma simples sugestão de atravessar o rio, adicionada a uma paixão/emoção (medo), ou a alegria de conquistar, acabará por potencializar a sugestão, criando um motivo mais forte para concretizar a ação. É a lei do mais forte, da emoção mais forte. Por certo isso pode e é utilizado o tempo todo e, claro, no ambiente terapêutico, estrategicamente de forma sutil, servirá para motivar o paciente na resolução de seus problemas, cura se sintomas e doenças.

Indução: depois de traçar as estratégias, o hipnoterapeuta iniciará o processo de indução, com o objetivo de levá-lo a manifestar fenômenos hipnóticos e, por meio deles realizar a intervenção.

Intervenção: quando vamos trabalhar com as dificuldades do paciente, é preciso fazer de forma cuidadosa, uma aproximação gradativa. Por isso utiliza-se uma comunicação mais indireta ou mesmo paralela, parte-se de um ponto distante e então vai-se aproximando. Com isso, é como se desse tempo do paciente se preparar, se fortalecer para ouvir o que precisa ouvir e fazer o que precisa ser feito. A elegância, a sutileza na comunicação são traços marcantes na hipnoterapia ericksoniana ou moderna. Antes de pedir para que alguém ande de uma certa forma, é preciso ensiná-lo; antes de pedir para que elabore certa tarefa, é preciso ensiná-lo, dar-lhe recursos para tanto. O mesmo ocorre no processo terapêutico: possibilitar as aprendizagens necessárias para que o paciente possa mudar ou superar. Obtendo assim o resultado desejado.

mais-informacoes agende-sua-consulta

Windy

A Hipnoterapia é o trabalho terapêutico vivenciado através da hipnose. São utilizadas técnicas e instrumentos necessárias para que o indivíduo busque por ele mesmo, ou com a ajuda do terapeuta, a solução para diferentes problemas.


É crucial lembrar que não existe apenas uma forma de hipnoterapia. E normalmente cada hipnoterapeuta já vem de uma linha teórica da Psicologia, usando a Hipnose segundo esta forma de compreensão do Ser Humano. Assim, cada processo terapêutico será diferente e os resultados deste também serão diferentes.


Na hipnoterapia, vários são os fenômenos que o paciente pode experienciar em estados hipnóticos ou de transe, podendo levá-lo a ter diferentes aprendizagens e pensamentos. Os fenômenos aqui expostos tem como método, conceitos nascidos da Hipnoterapia Educativa. São eles:

 

- Regressão de idade: reviver o passado como se fosse presente. Por exemplo, o indivíduo regredido aos 6 anos de idade agirá como tal, no comportamento, no gestual, na voz, na compreensão de si e do mundo, e outros processos característicos dessa idade.

- Amnésia Estruturada: esquecer fatos passados. Esta deve ser feita de uma forma estruturada, ou seja, coisas específicas dentro de um contexto terapêutico para o paciente.

- Hipermnésia: lembrar de fatos do passado de uma forma muito clara. O indivíduo sabe que não está regredido, mas sim lembrando-se do passado. Porém, é possível ter os mesmos pensamentos e sentimentos daquela época de uma forma bastante intensa.

- Catalepsia: Os músculos do corpo ficam enrijecidos durante o estado de hipnose, porém não existe a fadiga dos mesmos.

- Movimentos "Alavancados": São movimentos pausados, e na maioria das vezes lentos. Como se o indivíduo estivesse levando pequenos choques. É o caso da levitação da mão.

- Escrita Automática: Dois raciocínios acontecendo ao mesmo tempo. O indivíduo pode estar falando sobre seu último trabalho e escrevendo uma poesia sobre sua infância.

- Signo-sinal: São comandos associados aos estados de transe e hipnose, como uma palavra ou frase dita ao paciente durante o transe. São usados normalmente para facilitar cada uma das próximas sessões, acelerando o processo de indução.

- Dissociação de elementos: Dois elementos que antes estavam ligados agora deixam de estar. Por exemplo: um indivíduo que associa um elevador ao medo de lugares fechados, depois da dissociação, não perceberá a ligação que antes existia.

- Duplicação de sistemas de raciocínio: Duas formas de pensar acontecendo ao mesmo tempo. O indivíduo pode estar na cadeira de um dentista e ao mesmo tempo achar que está passeando com um amigo no parque.

- Sugestão pré-hipnótica: É estabelecida formas de pensar anterior ao estado de hipnose, que se manifestará quando o processo desta ocorrer.

- Sugestão pós-hipnótica: É estabelecia formas de pensar que terão efeito depois do processo de hipnose.

- Sobre si: Auto-percepção, como cada um pensa em relação a si mesmo.

- Alucinação positiva: Uma forma de pensar onde o indivíduo vê, tem sensações táteis, ouve, sente cheiros ou tem a gustação de algo que não existe.

- Alucinação negativa: Uma forma de pensar onde o indivíduo não vê, não tem sensações táteis, não ouve, não sente cheiros ou não tem a gustação de algo que existe.

- Anestesia: Parada por completo de estímulos táteis. Usado normalmente em consultórios odontológicos ou na sala de cirurgia de médicos. Também pode ser usado no processo terapêutico.

- Analgesia: Diminuição considerável dos estímulos táteis. Como um amortecimento causado por exemplo pelo gelo, quando em contato com a pele por um certo período.

- Hiperestesia: A sensibilidade tátil é potencializada. O indivíduo tem seus estímulos aguçados.

- Progressão de idade: O indivíduo pensa estar num futuro, porém não sabe que é futuro, a partir disso seus pensamentos o levam a crer que está no presente, que está vivendo aquele momento. Pode-se passar por uma situação antes dela acontecer, e assim saber quais serão as reações quando isso tornar-se realidade.

- Pseudo-orientação no futuro: O indivíduo pensa o futuro, sabendo que é apenas uma projeção, e através dos cinco sentidos pode pensar e dar formas a situações que irá passar.

- Expansão da noção de tempo: Tem-se a impressão de que passou um tempo muito maior do que realmente passou. No momento em que estamos altamente focados em algo, isso é comum acontecer.

- Condensação da noção de tempo: A impressão agora é de ter passado menos tempo do que realmente passou. Isso pode ser facilmente percebido nos sonhos, temos a impressão de ter passado horas ou mesmo dias, quando na verdade foram segundos.

Nota: Estas experiências são diferentes para cada indivíduo, podendo ou não apresentar tais fenômenos. Em alguns casos a intensidade poderá ser maior ou até mesmo, menor. Isso dependerá da sensibilidade e percepção do hipnoterapeuta, em verificar quais fenômenos serão melhor apresentados por cada paciente, podendo portanto ter um melhor resultado terapêutico.

Windy

Uma análise publicada na revista American Health Magazine, organizada pelo psicólogo americano Alfred A. Barrios, Ph.D., revelou as seguintes percentagens de recuperação em pacientes que se submeteram a três diferentes formas de terapia:
Psicanálise: 38% de recuperação após 600 sessões (cerca de 11 anos e meio);
Terapia Comportamental: 72% de recuperação após 22 sessões (cerca de 6 meses);
Hipnoterapia: 93% de recuperação após 6 sessões (cerca de 1 mês e meio).

A hipnoterapia trata o paciente como ser único, por isso os resultados que na comparação nos surpreende. Essa é uma estatística formada de indivíduos e não de uma multidão. Uma abordagem terapêutica específica e não genérica.

mais-informacoes agende-sua-consulta

Windy

É mais difícil afastar-se de hábitos ou crenças antigas, do que aceitar novas. Mesmo que nos façam mal, que nos prejudiquem ou que não nos ajude. Quando temos um caminho já trilhado, conhecido, fácil, relutamos em abandoná-lo, queremos continuar. Em detrimento de um caminho novo, desconhecido, mas que pode nos proporcionar novas e infinitas possibilidades. Com a Hipnose não é diferente, ainda temos resistência em vê-la como uma ciência capaz de curar as dores da alma.

Tanto profissionais da área de saúde, que talvez sejam os mais resistentes, como aqueles que sofrem com as questões emocionais, veem relutância em perceber que a hipnoterapia figura entre os melhores modelos de psicoterapia. Com conteúdos e técnicas modernas e naturalistas, ou seja, uma terapia personalizada a Hipnose surpreende. Estudo cada vez mais abundante vem comprovando sua eficácia. E que bom que o ser humano é capaz de descobrir e desenvolver novas maneiras de cuidar do outro, abreviando ao máximo a dor e o sofrimento.

mais-informacoes agende-sua-consulta