Vou te contar uma coisa que todos devem saber sobre relacionamentos: VOCÊ PROJETA AS PESSOAS A QUAL SE ENVOLVE E TAMBÉM AS SUAS RELAÇÕES AMOROSAS. Sim, é isso mesmo, você “inventa” em sua mente uma pessoa que ele ou ela não é só para não ficar só ou por medo de não achar alguém melhor ou pelo medo da rejeição.

 

Essa sensação que temos por vezes é conhecida como "idealização" e é um processo psíquico em virtude do qual as qualidades e valor do objeto são associados à perfeição. O autor do amor idealizado diz que "... o objeto é tratado como o próprio Eu do sujeito e o amor passa uma parte considerável de libido narcisista ao objeto. De alguma forma, a seleção amorosa chega mesmo a evidenciar que o objeto serve para substituir um ideal próprio e não alcançado do Eu." (Freud, 1921).

Se viajarmos até à infância, onde se forma a identidade, o autoconceito, os modelos de amor, as formas de ser homem e mulher, assim como os valores de família, o pai são os representantes do social nesse momento da nossa jovem vida. Com eles, encaramos o amor incondicional, também o carinho condicionado, e reservamos os nossos maiores desejos infantis de exclusividade, pertença e ser apenas para eles e nada mais.

 

Quando esses conflitos e desejos infantis não se resolvem de forma adequada, vamos pela vida procurando parceiros que nos resolvam as carências mais íntimas depositadas na alma.

 

No casa da idealização ficar mais forte do que a realidade corre-se o risco de viver um relacionamento ilusório e irreal, e que certamente não durará. Em algum momento a mulher perceberá ou não terá suas expectativas ou desejos preenchidos, provocando grande decepção e frustração.

 

Por outro lado manter a idealização pode ser também de extrema importância para que os dois possam estabelecer ou manter um canal de comunicação destinado às mudanças, que são fundamentais em qualquer relacionamento. Pode-se não atingir plenamente a condição idealizada ou perfil tão sonhado, mas chegar muito próximo traz muita motivação e satisfação para o casal.

 

Portando, se esse processo psíquico estiver fora de seu controle procure ajuda de um psicólogo para entender essa dinâmica.

 

 

livro 2

Olá, gostou dos nossos cursos, tem alguma dúvida ? Preencha o formulário e ligamos para você